Inca Kola: eu experimentei!

Eu fui ao Peru e não bebi Pisco Sour! Uma amiga falou: 'Mas como assim?'. E eu respondi: 'Escolhi Inca Kola para ser meu refrigerante favorito da viagem'.
Foto: Joshua Debner/Flickr
Se você, assim como eu, não curte bebida alcoólica, se joga na famosa Inca Kola, o refrigerante peruano, fabricado pela Coca-Cola que é sucesso absoluto e o mais vendido no país. Uma curiosidade: vimos muitos cusquenhos carregando, a tiracolo, uma garrafinha do refrigerante, ao invés de, água, por exemplo.

O que mais me chama atenção na Inca Kola é a cor. É um amarelo forte que lembra fácil um detergente neutro. A cor é um pouco assustadora, mas se pensarmos bem, bebemos um refrigerante famoso que é preto! Os guaranás, no geral, tem cor de xixi, então... hahahaha

A primeira vez que eu e Paulo experimentamos a Inca Kola foi em Cusco, no restaurante Pachamama, para acompanhar um delicioso Lomo Saltado. E o gosto desse refri amarelão? É como um guaraná bem docinho, algo comparado a tutti-frutti. Já vi gente dizendo que achou horrível, mas eu gostei bastante, e tomei várias vezes por lá.

¿Inca Kola o la tradicional Coca-Cola?


Depois que voltei do Peru não bebi mais o refrigerante. Mas sei que vende em mercadinhos de produtos peruanos, bolivianos, e claro, nos mercados da Liberdade (bairro paulistano), que inclusive, estou doida para visitar novamente e trazer algumas garrafinhas de Inca Kola para Santos.

Você já experimentou Inca Kola? O que achou?

Eu fui: Meet & Greet Linkin Park - Maximus Festival SP 2017

Hoje é dia 20 de setembro, quarta-feira. Hoje completam dois meses que Chester Bennington morreu. É com muita tristeza que escrevo esse post, mas ao mesmo tempo, quero que esse sentimento chato não tome conta até o final do texto, porque quero contar a experiência de ter conhecido o vocalista do Linkin Park, e claro, os outros membros da banda.

Sim, eu conheci todos os membros do Linkin Park, graças ao meu namorado, Paulo, que me inscreveu no sorteio para participar do Meet & Greet da banda, no último show que eles fizeram no Brasil, em 13 de maio, no Autódromo de Interlagos. Um show bem ousado, diga-se de passagem, devido ao line-up do Maximus Festival, na minha opinião, super pesado. E lá, já era esperado que Linkin Park tocaria algumas músicas de seu último álbum, One More Light, que tem uma pegada bem pop.

Estou ao lado da bandeira :)

À medida que a noite caía e o encontro se aproximava, eu ficava ainda mais nervosa. E estava tão nervosa, mas tão nervosa, que nem quis interagir com as pessoas que também aguardavam ansiosas por encontrar os caras. Fiquei esperando ao lado do Paulo, a moça da organização, Misty, se não me engano, chamar a turma toda. Até que uma fila meio desengonçada se formou. Na minha mão, estavam o papel da chamada para o Meet & Greet, meu celular com o e-mail aberto, meu RG, e ainda na bolsa, as capinhas dos CDs do Linkin Park para receber os autógrafos.

Nem sabia o que segurar direito. Antes de ser a próxima a ser chamada, já consegui ver meu nome na lista da organização e ali me deu um alívio, ufa, está tudo certo, vou entrar mesmo. É REAL! VOU VER O LINKIN PARK DE PERTINHO! Até que Misty me chamou e quase que eu entro sem a credencial. Paulo diz que me puxou pra fila de novo para receber o crachá, mas nem me lembro disso.

Depois de passar pelo portão de acesso ao lounge do festival, eu e todos os fãs ficamos aguardando em uma fila. E então, algumas pessoas, seguranças, foram nos guiando Autódromo adentro. Estava super escuro por lá e nem dava para ver direito onde estávamos pisando. A passada era acelerada, sabe, caminhando rápido. Tinha que ser rápido, sabia que o encontro duraria pouco tempo, porque logo depois Linkin Park estaria no palco. Sei que passamos por uma área bem aberta, subimos uma escada e de repente, estávamos em uma espécie de área vip, parecida com os boxes da Fórmula 1. Fomos guiados até um desses boxes (gigante!) e entramos, em fila, ocupando a parede do fundo. Ficamos dispostos nessa parede do fundo, como em um paredão de fuzilamento. hahahaha Dava para ver que todos estavam MEGA nervosos e ansiosos com aquela situação.

Relevem minha cara =P Nessa hora estávamos aguardando as instruções da organização
Logo depois, Misty entrou e falou, em inglês, para que ficássemos mais relaxados, sem essa posição de fuzilamento (lembro dela imitando a posição, como de soldado). No local também tinha uma mesa com alguns lanchinhos, cookies, água e bananas. Nessa hora, Misty, com a ajuda de uma tradutora, deu algumas instruções para a galera. Lembro de algumas coisas:

- Não precisávamos ficar nervosos, eles não mordem.
- A banda não iria entrar de uma só vez. Um a um entraria naquele box de Fórmula 1 para assinar nossos itens, porque estavam com outros compromissos nos bastidores até a hora do show.
- E então, eles não poderiam tirar uma foto com o grupo todo, como geralmente é feito nos encontros. 
- Eles assinariam apenas um item de cada pessoa.
- Não poderíamos tirar fotos com eles. Misty tiraria várias fotos, e depois a produção enviaria todas.
- Não poderíamos abraça-los, nem beija-los, devido ao risco de contaminação, já que eles andam em muitos aeroportos.

Depois dessas instruções, tiramos uma foto em grupo, só a galera mesmo, e ficamos na formação de paredão novamente, em 'U', só aguardando. Lá na frente, a porta do galpão fechada. A cada membro da organização que entrava, o coração acelerava.

Até que... a porta abriu e dois integrantes entraram: Phoenix (Dave Farrell) e Rob Bourdon. Eu tinha uma missão: todas as capinhas de CDs deveriam ter pelo menos um autógrafo. Já que só posso dar um item pra assinar, e estão entrando aos poucos... é isso! Moleza. Mas aí quando começaram a dar o crachá para assinar também, eu aproveitei a deixa, então cada um assinou uma capinha, e no crachá, tenho o autógrafo de todos.

Rob deixando seu autógrafo na minha credencial
Infelizmente, não tenho fotos do Phoenix próximo a mim =(
Eu poderia ter tirado foto com meu celular ali dentro? Poderia, porque várias pessoas estavam fazendo isso, e outra, teve até selfie. Mas quem disse que eu consegui? Estava tremendo de ansiedade! Acredito que muitos queriam também fotografar, abraçar, beijar, mas o nervosismo tomava conta, e sei lá, o medo de levar uma bronca da Misty. 

Quando Chester entrou por aquela porta, a galera foi à loucura! Era explícita a felicidade de todo mundo ali. Tinha gente chorando, tinha gente tremendo, tinha gente rindo à toa, tinha gente séria, tinha gente que nem acreditava que estava ali vendo Chester Bennington. Ele foi super carinhoso com todos, conversou com algumas pessoas que conseguiam falar alguma coisa hahaha, tirou fotos e distribuiu abraços. Uma pessoa iluminada, com certeza, que foi muito importante para a vida de muitos ali, com sua voz marcante e suas músicas que dizem muito.

Chester Bennington assinando a capinha do CD
Os últimos integrantes a entrar foram Brad Delson, Mike Shinoda e Joe Hahn, que foram tão pacientes e carinhosos quanto os outros integrantes. Do Joe consegui arrancar três autógrafos (duas capinhas e o crachá). Lembro do Mike conversando muito com todos e fazendo pequenos desenhos na pele das pessoas, para que mais tarde pudessem virar tatuagens.

Uma pena Misty ter tremido a foto na hora do Brad
Mike Shinoda <3
Joe Hahn, o último a deixar autógrafos para a galera
Desenhos que Mike Shinoda fez em alguns fãs
Capinhas autografadas

Credencial devidamente autografada pelos lindos do @linkinpark no Meet & Greet do Maximus Festival. 😍

Uma publicação compartilhada por Fernanda Maciel (@feu_fa) em

Depois de toda essa euforia, os ânimos se acalmaram um pouquinho só, porque logo depois tínhamos um show dessa banda que marcou a adolescência de muitas pessoas. E foi um show incrível! Dava para ver fãs de Slayer passando pela gente, pedindo 'Volta Slayer, volta Slayer', mas aquela hora, meus queridos, era do Linkin Park, os caras que encerraram o festival com chave de ouro. Foi lindo! Uma apresentação cheia de surpresas, com músicas do novo álbum, mashups e Crawling no piano, ma-ra-vi-lho-so. Fã que é fã curtiu, eu sei. O resto é resto.

Foi surreal tudo aquilo que passei na noite do dia 13 de maio de 2017. E agora, com a volta do Feufolândia, consegui registrar aqui esse momento inesquecível. Pensa em uma pessoa abalada com a morte de um de seus artistas favoritos! Pode ser bobeira para alguns, mas quando fiquei sabendo da morte de Chester, parece que o chão se abriu, sei lá. Foi um sentimento tão estranho, mas tão estranho, nunca tinha sentido isso por nenhum artista. Não sei explicar, gente, mas naquela noite, da notícia de sua morte, eu chorei que nem uma criança. E até hoje, fico emocionada de lembrar o que aconteceu com ele, lembrar da noite de felicidade que eu e todos aqueles fãs tiveram no Maximus Festival, e que nunca mais teremos o Linkin Park de volta, do jeitinho que era, com os vocais desse cara incrível.

Foto: Flavio Moraes/G1
RIP Chester Bennington. ❤

Desafio 52 Semanas: #49 Lugares no mundo que eu gostaria de conhecer

Adoro esse tema de viagens... Existem muitos lugares no mundo que eu gostaria de conhecer! Tanto que eu já fiz alguns posts desse tipo aqui no blog, e vou deixar todos os links no final do texto.


1. Casa de Anne Frank
Anne Frank tem uma história e tanto... Tenho muita vontade de conhecer a casa onde ela, sua família e amigos judeus ficaram escondidos durante a Segunda Guerra Mundial. A casa é um museu e fica em Amsterdã. O lugar da foto abaixo deve ser um dos pontos mais emocionantes da casa.

Atrás da estante de livros ficava o esconderijo (Foto: Reprodução/Facebook)


2. Salar de Uyuni
O deserto de sal. Um lugar incrível que pede milhões e milhões de fotos clichês. Fica na Bolívia, perto da Cordilheira dos Andes. Pelo que vi no Google, à noite é tão lindo quanto...

(Foto: Reprodução/Blog Rotas Capixabas)


3. Central Park
Mais famoso, impossível. Adoraria conhecer esse parque de Nova York com neve. Me lembraria muito o filme Esqueceram de Mim.

(Foto: Reprodução/Blog Ny & About)


4. Auschwitz
Assim como a casa de Anne Frank, Auschwitz deve ser tão incrível e emocionante quanto. O local é um memorial, onde é possível fazer visitar guiadas. Muita história... Mais de 1 milhão de pessoas morreram lá. 

(Foto: Reprodução/ Blog Marcel Proust)


5. Catedral de Notre Dame
Eu amo igrejas. Imagina entrar nessa catedral? Olha que colosso por dentro. Um espetáculo de arte por todos os cantos. Sou apaixonada...

(Foto: Reprodução/Brasil Vip)


E você? Já conhece algum desses lugares?
Bjs.



>> 5 Lugares que eu quero conhecer

>> 10 lugares que ainda quero conhecer no Brasil

>> + 10 lugares que ainda quero conhecer no Brasil

Veja também: 100 coisas para fazer antes de morrer



Pinhão: a melhor coisa das festas juninas

Em relação à comida, tem duas épocas do ano que eu sempre aguardo ansiosamente, que é a Páscoa, já que eu sou louca por chocolate e as festas juninas, que é quando eu como pinhão até me acabar.

Pinhões ainda na pinha

Talvez pinhão seja uma das minhas comidas favoritas, fica ali entre arroz com ovo frito e chocolate. Mas, tenho que me contentar com os poucos pinhões que vêm aqui para a região da baixada santista, muitas vezes com bichinhos, meio podres e muito machucados. Haja saco para escolher, e meu pai faz isso muito bem!

O Wikipedia vai me ajudar um pouquinho aqui para dizer para vocês que o pinhão se forma dentro da pinha, e geralmente designa as sementes das araucárias, as lindas árvores que são fáceis de encontrar na região sul. Mas fiquei sabendo pelo Wikipedia também que em algumas partes da região sudeste é possível encontrar araucárias.

Na última vez que estive em Curitiba, PR, vi muitos pinhões no chão!!! Sim, como se fosse uma cuca que encontramos a cada 2 passos aqui em Santos e São Vicente. Fazendo um ps. aqui: a cuca é uma bolinha (fruta) que cai do chapéu-de-sol, árvore bem comum nas orlas das praias daqui. E as cucas caem a qualquer hora, acabam com a lataria do carro e até com sua cabeça.

Minha mãe tem uma amiga que mora em Cascavel, PR, e ano passado ela nos enviou mais de 5kg de pinhão pelos correios. TIPO?!? Imagina a minha felicidade em comer pinhão até dizer chega? Na verdade eu nunca digo chega para pinhões. Meu, que presente maravilhoso. Essa pessoa vai para o céu, sem dúvidas. 

Andei vendo na feirinha do mercadinho perto de casa a parte dos pinhões. E estavam eles lá, coitados, esbranquiçadinhos, feinhos... Por que? Por que os pinhões que vem para cá são tão feinhos assim?
Pinhões do mercado aqui perto de casa 

Meu pai vive falando que eu devia ter feito uma bela compra de pinhões quando fui a Curitiba pela última vez. Juro que eu até pensei, só que ia ficar muito ruim de carregar a sacola, estávamos indo pra lá e pra cá toda hora de a pé, de ônibus, não ia ser legal carregar mais de 5kg de pinhão, porque eu ia querer trazer no mínimo isso para São Vicente.

Ainda não compramos pinhões aqui. Só andamos vendo de longe nas feiras dos mercados. E como eu disse, está daquele jeito, bem feio. Meu pai sempre fala que não vai comprar porque está sempre desse jeito, eis que de repente entro em casa e sinto o cheirinho do pinhão sendo cozido, nossa, felicidade extrema!

Meu hobby favorito no inverno é: comer pinhão, enrolada numa coberta, sentada no sofá e assistindo televisão. Não tem preço. Ah, e claro descascá-lo na "unha", porque essa é a parte mais legal do ritual.

Desculpe pelo textão, mas é que é muito amor mesmo. :)

Bjs.


Este post é um dos temas sugeridos pelo Rotaroots.



Internet Old School

Em agosto, eu respondi um teste do Buzzfeed sobre internet. A pergunta era a seguinte: "Quanto você fez parte da história da internet no Brasil?". Eu comecei a usar internet com uns 11 ou 12 anos, quando ganhei meu primeiro computador. E, creio que como vocês, conectava só após à meia noite com aquele barulhinho nostálgico da internet discada. Do teste, eu marquei 27 de 50 itens. Se você quiser fazer também, clique aqui.

Resolvi trazer esse tema aqui pro Feufolândia e lembrar com vocês algumas coisas dessa internet old school que fiz parte. Não vou colocar todas as 27 porque são muitas e ficaria um post muito longo.


Que Google o quê! Cadê rocks! As buscas na internet eram feitas no Cadê?, que agora virou o Yahoo Search. Foi o primeiro buscador brasileiro, fundado em 1995. Se você digitar www.cade.com.br já redireciona para o Yahoo.



E o ICQ? Você também usou? Eu usei bastante, comecei a conversar com meu namorado através do ICQ, depois que veio o MSN. Lembro até hoje do meu número: 223237355. E o mais legal é que o ICQ voltou. Tem até para celular. Eu já tenho e converso com algumas meninas do grupo Rotaroots. Super legal, tem figurinhas, dá para formar grupo e o número continuou o mesmo. \o/



Ainda antes do ICQ, tinha o Bate Papo Uol. E era MEGA disputado. As salas mais legais ficavam sempre cheias. Eu me encontrava direto com algumas amigas da escola e às vezes era super difícil de achá-las, ou porque passavam o nickname errado, ou porque entravam na sala errada ou porque eu entrava na sala, ela ficava cheia e não dava mais para elas entrarem. Ufa! Era difícil. E também tinham as "salas proibidas" que a gente sempre xeretava e fingia a idade. hehehehe



As músicas que eu escutava no computador eram baixadas no Kazaa. Quem usou o programa também? Pior era quando a música vinha "bixada", com um barulho estranho de ET, ou não vinha nada ou vinha outra música nada a ver. Que raiva! A internet era lenta demais, demorava séculos para baixar uma música e ela ainda vinha zoada. Haja paciência. Também usei o eMule e o Shareaza mais tarde.



Para acessar a internet era necessário ter um discador instalado no computador. Tinham vários: iBest, IG, iTelefonica, Oi, Terra, Uol. Eu lembro de ter usado os gratuitos iBest, IG e iTelefonica. A conta da IG minha mãe usa até hoje. E como eu falei lá em cima, o mais legal era o barulhinho da internet discada. Esperávamos até a meia noite do dia de semana para conectar ou no final de semana no sábado depois das duas horas da tarde e de domingo podia ficar o dia inteiro online. Pior que o telefone ficava mudo e sempre que alguém quisesse usar tinha que desconectar a internet. Ahhhhh... E o download no meio do caminho?



Quando o assunto era humor, os sites mais acessados eram Humortadela, Bacaninha e depois veio o Charges, que continua até hoje com as famosas piadinhas de Mauricio Ricardo. Os dois primeiros eram repletos de piadas animadas, que pareciam slides com gifs animados. A gente podia mandar para as pessoas por e-mail também. O Humortadela continua, mas o Bacaninha não existe mais.



Meu primeiro fotolog foi no Flogão. E não consigo mais encontrar o endereço, acho que foi deletado faz tempo. Mas não era tão legal quanto o Fotolog.net. Lembra? Era uma briga para ter uma conta lá com a internet discada. Quando chegava meia noite, corria pro site para tentar criar a conta, mas nunca conseguia devido a lerdeza da conexão. O site era muito acessado a essa hora. Uma amiga que conseguiu fazer pra mim. E quem era Gold? Se não me engano, tinha direito a comentários ilimitados, mais de uma foto por dia e algumas outras regalias. Fui ter uma conta Gold depois de muito tempo quando abriu para comprar pelo crédito do celular, porque antes era só em dólar. Muitas bandas, como CPM 22, Dead Fish, Forfun, divulgavam a agenda de shows no fotolog.



E por fim, mas não menos importante, o Orkut, que está com seus dias contados. Para ter uma conta na rede social mais famosa do Brasil (naquela época) era preciso ter um convite. Se não me engano, entrei com convite, mas não faço ideia de quem. Participava de diversas comunidades, tinha aquela Discografias, a comunidade perfeita com milhares de álbuns para baixar, lembro também dos depoimentos, scraps, 100% legal, sexy e confiável, álbuns com apenas 12 fotos, e tantas outras coisas que vão deixar saudades, porque o Orkut vai nos largar oficialmente no dia 30 de setembro. ~ai ai~ =')


Também usei um pouquinho do mIRC, tive ZipMail, BOL, SOL (SBT Online), recebi as fotos do Tourist Guy e suas respectivas montagens, tentei fazer site com HPG e Kit.Net, instalei o AOL, tive blog no Weblogger... Enfim, muitas coisas.

E vocês, o que mais lembram da internet old school?
Bjs.



O que eu levo na bolsa?

Essa tag é super famosa pelos blogs e canais do youtube da vida: O que eu levo na bolsa? Hoje vou mostrar para vocês.
Não sou de carregar muita coisa, até porque eu uso bolsa pequena quase sempre, então é só o necessário. Quando estou com alguma bolsa maiorzinha até coloco uma necessaire com pouca maquiagem, mas no dia a dia é basicamente o que está na foto abaixo.


1. Óculos de sol: Mesmo no inverno os dias tem sido de sol, e às vezes, bem quentes. O óculos de sol é essencial. Esse é o meu mais novo, presente do Paulo, e o que tenho mais usado. Mas quero mostrar meus outros óculos para vocês (não são muitos), já tem post na fila. Aguardem.

2. Celular: Item obrigatório hahaha

3. Band-aid: Pelo menos dois assim, um para cada pé. Nós, meninas, que sempre usamos muita sapatilha sabemos bem como é que ficam nossos pés. Infelizmente não são todos os sapatos que são confortáveis.

4. Carteira: Com documentos, também item obrigatório. Tem vezes que eu uso a carteira e outras vezes não. Quando não, pego meus docs e coloco tudo no bolsinho interno da bolsa. Essa carteira é super velhinha, comprei na 25 de março numa banquinha. Ela é cheia de divisórias e tem até espelhinho.

5. Creme para as mãos: Minhas mãos ficam sempre muito ressecadas no inverno, principalmente pela manhã. Esse creminho já está até acabando de tanto que uso. Se não me engano já é o segundo frasco. Fiz um post sobre essa linha de cremes faz um tempo. Veja aqui.

6. Prendedor de cabelo: Tenho usado bastante essa presilhinha pequena para prender um pouco do cabelo atrás, naquele estilo princesa, sabe?

7. Cera para cutículas: Essa cera é milagrosa e tem feito muito bem para minhas cutículas, uso todos os dias (quando me lembro). Fiz um post aqui sobre ela.

8. Benegrip e Naridrin: Tem que ter algum remédio na bolsa, principalmente eu que vivo com crise de rinite. Apesar de o Benegrip ser para gripe, ele controla um pouco minha coriza quando estou em crise. E o Naridrin é um descongestionante nasal.

9. Protetor labial e Batom: Adoro esse protetor labial da Nivea, ele é de morango e tem FPS10. Deixa uma corzinha de saúde nos lábios, além de disfarçar o ressecado. E o batom é Avon (Boca Chic), fiz swatch dele e de toda essa coleção aqui.

10. Lencinho de papel: Carrego um ou dois lencinhos porque uso óculos e sempre preciso limpar a lente.

Curso de Maquiagem Profissional - Com Certificado - Acesse

E a bolsinha que vai tudo isso (que mais tenho usado) é essa pretinha abaixo. Comprei ela na 25 de março também numa espécie de shopping de bolsas que fica próximo ao Mc Donald's (se não me engano!).



E vocês, o que levam na bolsa? Usam bolsas maiores ou pequenas tipo a minha no dia a dia?
Bjs.



Top 5 - Cafonices dos anos 90 que eu usei

Esta semana publiquei aqui no Feufolândia sobre o #DesafioPrimeira do blog Primeira À Esquerda, um blog que não conhecia ainda, mas já considero pacas. hahahaha Sério, gostei muito das fotografias da Luh e tem um post lá que me chamou atenção: Top 5 - Cafonices dos anos 90 que eu usei.
A Luh é de 1986 e eu de 1989, assim como ela disse, vivemos os anos 90 e suas breguices maravilhosas. Tenho muita saudades daquela época, a época da minha infância.

Também fiquei com vontade de listar aqui as cinco coisas cafonas que eu usei nessa década maravilhosa. Vamos lá para o micão.

1. Colar tatuagem 


Se você também viveu a infância nos anos 90 tenho certeza que usou o famoso colar tatuagem. Gente, todas as meninas usavam essa praga. Era lindo!

2. Tamanco com salto de acrílico


Quando comecei a usar "salto" lembro de comprar um tamanco de acrílico ma-ra-vi-lho-so. Não era alto, e lembro que em cima (na tira) era prateado com uns strass grudadinhos. Fazia um barulho ridículo para caminhar, mas era moda. Infelizmente não achei um igual, a altura do salto era parecida com a da primeira foto.

3. Anel do humor


Outro acessório que era indispensável na sala de aula. Porque era real, meu!!! Mostrava mesmo como estava o humor da pessoa. hahahahaha Acho que tive uns 3 ou 4 desses. Apesar de ser bem breguinha, tô até com vontade de usar de novo.

4. Bico de pato


Ainda existe isso. E eu usei quando era criança. Que coisa horrenda. Quando meu cabelo ficou comprido (usei chanel boa parte da infância) para prender usava o bico de pato. E tinha vários, com estrelinhas vazadas, corações, prata, preto, dourado, etc, etc, etc. Aff... Ele machucava um pouco, pois puxava o cabelo, mas continuava usando.

5. Pulseiras de bolinhas


Essas pulseiras de bolinhas também eram uma febre na escola. Tinha menina com 500 mil pulseiras (de várias cores) num braço só. E havia trocas também. A mais cobiçada era a preta. Eu cheguei a usar preta, rosa, azul... As bolinhas poderiam ser de madeirinha ou tipo de um vidrinho, sabem?



E vocês? São dos anos 90 também? Quais coisas bregas já usaram?




Tag day: 10 coisas estranhas sobre mim


Todo mundo tem algo de estranho, alguma mania, hábito, fobia, ninguém é perfeito. hehehe Selecionei as 10 coisas estranhas sobre mim. Vou dissertar melhor sobre os itens 1 e 9 mais abaixo.


* item 1: Você tem medo de algum bicho? Eu tenho medo de barata. Medo, nojo, pavor, tudo o que você possa imaginar. Como disse na tag, já tive péssimas experiências com esse inseto horrível. Um exemplo: a barata já passou pelo meu braço enquanto eu estava dormindo. Eu seeeentiii e acordei!!!!!! Tem noção disso? Tenho um trauma... Se eu vejo uma barata viva perto de mim, fico toda vermelha de tanto coçar os braços, choro, surto de verdade. =/

** item 9: Lembra da comunidade do Orkut "Abro a geladeira pra pensar"? É mais ou menos isso. Não sei porque, mas sempre que chego em casa, abro a geladeira, olho tudo e fecho. A maioria das vezes nem pego nada. Vai entender... 


Quais são as coisas mais estranhas sobre você? 


Veja outros Tag Day:


As últimas do Instagram



O último filme que fui assistir no cinema, Frozen. Uma das animações mais lindinhas que já vi da Disney. Vale a pena para quem curte esse estilo. Não resisti e tirei uma foto com Olaf, o boneco de neve, que por sinal é dublado por ninguém mais, ninguém menos, que Fábio Porchat. A foto ficou bem ruinzinha porque já estava meio escuro na saída do cinema.


Temos muitos pés de frutas aqui em casa... Goiaba, romã, grumixama, açaí, pitanga e outras mudinhas de avocado, jabuticaba, caju, laranja, camu-camu... Meu pai adora plantar! Essa da foto é acerola, que agora está dando muitas frutinhas, vira e mexe tem que colher. E do lado, o selfie do Pedro.


Na agência, quando estamos em reunião e alguém do grupo não está focado, viajando na maionese, jogamos a foca de pelúcia no colo da pessoa. hahahahahaha E o Dollynho é o mascote. Um amigo que já trabalhou na agência conseguiu esse bonequinho no Mercado Livre. Ao lado, o céu antes de cair uma tempestade.


Aqui, o colar de cabeça de cervo da Romwe, estou usando quase sempre! E minhas filhas, Nina e Julia olhando pra sei lá o que no canteiro de plantas do meu pai. É impressionante como os gatos olham aí na terra. De noite então! A visão deles é mais aguçada a noite, né? E provavelmente devem enxergar uma série de bichinhos, minhoquinhas, baratinhas... eca!


Para a alegria dos fãs: Lego dos Simpsons

A última novidade do mundo dos brinquedos é a SUPER coleção de Lego dos Simpsons. Aposto que está fazendo mais sucesso entre os grandinhos do que com os pequenos. Meu namorado, por exemplo, é um grande fã da série, coleciona também miniaturas dos personagens e está maluco com essa novidade da Lego.

A linha especial chegará ao mercado em fevereiro de 2014, mas aqui no Brasil ainda não se tem previsão, e provavelmente não deve chegar completo. Tudo indica que aqui a coleção deve ser vendida por partes. O brinquedo tem cerca de 2500 peças que formam todos os cômodos, a garagem, carro e miniaturas da família, inclusive o vizinho mais adorado, Ned Flanders.

Veja só que apaixonante as fotos da coleção. Até eu quero! *-*




























Facebook

Publicidade